Buscar
  • Eliza Guerra de Oliveira

Autoestima: Como você se vê?


Sendo a autoimagem a forma como nos vemos, a autoestima acaba sendo um resultado desta relação que temos com nós mesmos, incluindo a maneira que nos avaliamos e nos julgamos de maneira positiva e satisfatória. Isso acaba sendo importante em diversos aspectos ao determinar a relação que temos com o nosso corpo, a partir da nossa imagem corporal, a segurança que teremos nas nossas relações e projetos e a crença ou a compreensão de que apesar de nossas falhas e dificuldades seremos bons o bastante para conquistar nossos objetivos e vivenciar a vida da maneira que almejamos. Ter uma imagem de si positiva e boa autoestima acaba sendo o cerne de todo o nosso desenvolvimento , influenciando até mesmo a forma como nos vemos no espelho, ao considerarmos a nossa aparência bela ou não.

Você já reparou que algumas pessoas mesmo não estando dentro dos padrões estéticos ou do que a maioria da sociedade julga como correto acabam se sentindo muito bem com elas mesmas, tendo um estilo pessoal e aparência que as valoriza? E que essas pessoas acabam sendo pessoas interessantes, bonitas e atraentes? Essas pessoas transmitem ao mundo o que elas são, porque no fundo possuem uma imagem de si mesmas positiva, sentem-se bem em sua própria pele e não dependem da aprovação do outro. Isso é algo que transparece em seu modo de ser, interferindo positivamente não apenas no campo estético, mas em todos os campos de sua vida.

Você já refletiu sobre a forma como você se vê?

Já pensou se possui uma visão de si positiva? ou se acaba se criticando, cobrando e buscando o perfeccionismo? ou busca ser alguém que no fundo você não é?

Essa é uma reflexão importante!

10 aspectos que sinalizam a baixa autoestima:

1- Necessidade constante de aprovação :Buscar sempre agradar ao outro ou agir de acordo com o que as outras pessoas desejam. Quando isso acontece o sujeito busca pelos seus atos receber aprovação do meio, compreendendo que ao não agradar ou não ter atitudes e opiniões que coincidam com a dos que se relaciona isso será um sinal de rejeição ou desamor.

2- Necessidade de sempre estar em um relacionamento amoroso: Ao não se valorizar, o indivíduo precisa de um parceiro amoroso para se sentir valorizado.

3- Dificuldade de se colocar e se posicionar: Por não acreditar em sua capacidade acaba não colocando as suas opiniões, pensamentos e sentimentos. Seja no ambiente de trabalho, nas relações sociais e amorosas. Não conquista o seu espaço e se isola do meio social.

4- Necessidade de controle: A não confiança em si mesmo e na própria capacidade de enfrentar situações difíceis ou obstáculos acaba gerando uma necessidade de controlar as relações e as variáveis das situações, o que acaba trazendo ansiedade e insegurança, principalmente quando o sujeito se depara com o que não pode controlar.

5- Necessidade de reconhecimento público: Com as redes sociais todos acabamos dependentes das interações que ocorrem neste campo. Porém, a necessidade de receber curtidas e comentários em suas postagens e a quantidade com que isso ocorre acabam sendo determinantes para que uma pessoa com baixa autoestima possa se sentir bem.

6- Dificuldade em mostrar suas falhas: Receber a admiração e reconhecimento do outro acabam sendo tão importantes que a pessoa busca ocultar tudo que acredita não corresponder a imagem que construiu idealmente e que acaba sendo falsa pois todos temos defeitos e questões.

7- Excessiva competitividade: Neste caso busca o tempo todo ser o melhor e estar em primeiro. Caso não consiga atingir seus ideais inatingíveis acaba se sentindo muito mal consigo mesmo e se avalia de forma negativa e punitiva.

8- Distanciamento e isolamento nas relações: Desta forma acaba se protegendo de situações difíceis onde possa se magoar ou sofrer nas relações. Acaba sendo uma falsa proteção ou fonte de segurança.

9- Necessidade de perfeição: Coloca para si mesma ideias inatingíveis de perfeição de forma que não possa errar e que suas falhas não apareçam para o outro.

10- Não aceita ou admira o próprio corpo: Busca constantemente deprecia-lo e julga-lo. Avalia a própria imagem de maneira sempre negativa, não compreende ou aceita aquilo que não pode mudar em si mesmo se sentindo o tempo todo desconfortável e inadequado.

Artigo publicado originalmente no Blog da Ecole.


23 visualizações